Estar bem consigo mesmo é melhor do que estar bem com todo mundo

Olá pessoal!!

Entender que estar bem consigo mesmo é preferível a estar bem com todo mundo é um sinônimo de saúde e bem-estar. É como o aprendizado que se ganha depois de uma grande viagem onde, pouco a pouco, deixamos determinadas situações para trás para avançar leves, livres de cargas na mochila e pedras nos sapatos. É um despertar que nos permite levar a vida com mais honestidade.

No entanto, apesar de que na teoria parece fácil entender e essa ideia inclusive ofereça material suficiente para escrever mais de um livro sobre crescimento pessoal, pode-se dizer que, na prática, falhamos bastante nisso. Para entender melhor esse assunto daremos um pequeno exemplo sobre o qual refletir. Imagine que você está olhando por uma janela algo que acontece cada manhã na mesma hora. Ali está o vizinho, levando cada dia o seu pequeno vaso de planta para que receba de maneira regular a luz do sol. Ele faz isso com cuidado e absoluta dedicação: corta seus ramos, rega, coloca adubo… inclusive poderíamos dizer que ele proporciona carinho à planta.


“Quando você ama e respeita a si mesmo, a desaprovação de alguém não é nada a temer ou evitar”.
-Wayne Dyer-

É algo que chama muito a atenção por um fato em concreto. Nosso vizinho nunca pareceu um homem muito feliz, tem um trabalho do qual não gosta e é a típica pessoa que tenta agradar a todos. Sua resignada necessidade de satisfazer os outros faz dele uma marionete que é manipulada por qualquer pessoa: a família, os chefes, os amigos… Na verdade, eles puxam tanto os “fios” que eles começam a se desgastar: nosso jovem vizinho já sofreu a sua primeira ameaça de infarto.

Cada dia quando o observamos sair com o bonito e cuidado vaso de planta perguntamos por que ele não trata a si mesmo com a mesma dedicação e amor como faz com a sua pequena árvore. Estar bem consigo mesmo é algo que, sem dúvida, o vizinho deveria aprender a praticar, desistindo de algumas relações, alimentando a autoestima e procurando mais autenticidade com o fim de recuperar sua dignidade e bem-estar…

Estar bem consigo mesmo: questão de lógica e necessidade

Dizia Epiteto que “assim como quando caminhamos nós tentamos não pisar em um prego ou torcer o tornozelo, na vida deveríamos nos dirigir com a mesma atenção”, ou seja, evitando que outras pessoas nos prejudiquem, evitando incomodar os outros e nos protegendo de todo o mal. No entanto, em algumas ocasiões não fazemos isso: nos descuidamos de maneira perversa e proposital. Esquecemos que, quando uma pessoa deixa de estar bem consigo mesma para priorizar os outros, isso não é nada saudável.

Esquecemos, talvez, que tentar agradar a todos adiando as próprias necessidades não é logico nem recomendável. Assim, ao permitir que esse sacrifício nos faça sentir mal conosco por uma coisa ou outra, sentimos uma sensação de vazio, indecisão e frustração, o que é um preço extremamente alto a pagar.

Lembremos que aquilo que se cuida prospera, e o que se defende e se alimenta termina dando seus frutos. Então, algo que deveríamos refletir também é que existem momentos em que seria necessário deixar de lado os aspectos emocionais para fazer uso da razão. Separar o que sentimos e lembrar daquilo que necessitamos.

Somos conscientes de que a Inteligência Emocional tem muita influência na atualidade; no entanto, existem momentos bem concretos onde o pensamento mais lógico e racional é o que funciona melhor. A razão? É esse tipo de perspectiva mental a que mais nos incentiva a tomar decisões firmes para começar mudanças em prol do benefício próprio.

 

“Tudo vai dar certo no final. Se não deu certo, não é o fim”.
-John Lennon-

Erich Fromm dizia que as pessoas têm a sutil capacidade de viver em uma contradição constante. Isso faz com que, em algumas ocasiões, pensemos que se os outros são felizes, eu também sou feliz, que se eu digo a certa pessoa que apoio o que ela faz apesar de não ser verdade, eu vou conseguir a sua aprovação e indulgência e, consequentemente, isso vai me proporcionar bem-estar.

Dualidades semelhantes são destrutivas, são situações com um elevado custo emocional onde deveria prevalecer, antes de tudo, o sentido e a razão: se eu não gosto de algo, me afasto, se eu não concordo com alguma coisa, eu falo, se me prejudicarem, eu me defendo, se não sou feliz eu procuro conseguir isso do meu jeito.

O caminho para o bem-estar consigo mesmo

O caminho para estar bem consigo mesmo nasce do sentido de equilíbrio. Não é uma questão de praticar a autoindulgência e de nos priorizar praticamente em qualquer terreno, momento ou circunstância. O bem-estar mais saudável não deriva no narcisismo, senão na convivência saudável onde o indivíduo entende que para “ser” também precisa “deixar ser”.

Para conseguir isso, podemos refletir sobre as seguintes perspectivas. Cada uma delas requer uma adequada interiorização para poder ser integrada nas nossas vidas:

  • Autoconfiança: acreditar nos próprios recursos internos nos permite ser mais competentes na hora de tomar decisões, de avançar sabendo quem sim e quem não, o que precisamos em cada momento e como podemos alcançar esses objetivos.
  • Racionalizar os pensamentos. Quando deixamos de estar bem com nós mesmos isso se deve, quase sempre, a esse diálogo interno desgastante, crítico e negativo que constrói obstáculos para o nosso desenvolvimento pessoal. Aprendamos, portanto, a racionalizar o pensamento, a derrubar medos e a deixar de ser nossos próprios inimigos.
  • Sejamos amigos da vida: Em vez de querer ser “amigo de todo mundo”, de estar bem com todos para nos sentirmos aceitos, mudemos um pouco a perspectiva. Sejamos amigos da vida, sejamos abertos às oportunidades, ao otimismo, ao sentido da liberdade, e não ao da indulgência e da dependência alheia.
  • Descubra o potencial que existe em você: quando descobrimos nossos pontos fortes, quando aproveitamos nossas virtudes, capacidades e talentos, tudo em nós entra em harmonia. Sentimos nossa valentia para começar coisas sem depender dos outros, coisas que trazem satisfação e vão nos permitir avançar com um sentimento benigno.

Para finalizar, recordemos que ao estar bem consigo mesmo, o que o destino prepara começa a importar menos. No seu interior existe tanta energia, confiança e otimismo que nada poderá deter os seus passos. Não desperdicemos essa virtude que todos temos dentro de nós.

Fonte: amenteemaravilhosa

 

Pitaquinha

Anúncios

Sobre Blog Pitacos e Achados

Olá! Sou a Pitaquinha. Profissional apaixonada pelo que faz. Sou romântica, sonhadora, sensível, sincera e persistente. Vivo intensamente meus momentos! Gosto de Viajar e acompanhar as tendências de Moda e Beleza. Quero continuar ensinando e aprendendo sempre.
Esse post foi publicado em Comportamento e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

20 respostas para Estar bem consigo mesmo é melhor do que estar bem com todo mundo

  1. estevamweb disse:

    Quem está bem consigo mesmo, está perto de estar bem com o mundo….já o contrário é muito mais difícil…

    Curtido por 2 pessoas

  2. Corghi disse:

    excelente texto! realmente, se você não se cuida, não adianta esperar, torcer que alguém cuide de você.

    Curtido por 2 pessoas

  3. Pingback: Estar bem consigo mesmo é melhor do que estar bem com todo mundo — – Agro Mecanica Tatui

  4. Arwen disse:

    Adorei o post.
    Estou sempre repetindo no https://arwenreleituras.wordpress.com/ amar a si mesmo não é egoismo, é condição fundamental para amar ao próximo. Quando a gente se ama, se respeita, sabe os próprios limites fica muito mais fácil amar ao outro, respeitar o espaço e os direitos do outro. “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.” ou seja oferecerá o respeito que deseja para si, não violentar a si mesmo pelo bem do outro.

    Curtido por 2 pessoas

  5. Taline Kihara disse:

    Concordo plenamente! Um passo fundamental para aceitarmos melhor a vida é estarmos de bem conosco, mudando as nossas perspectivas e nos adaptando! Adorei o seu blog, convido-lhe a conhecer o meu (em que eu posto crônicas e contos). Abraço!

    Curtido por 1 pessoa

  6. Obrigada pelo post, temos que pensar em nós mesmos primeiro.😊

    Curtido por 1 pessoa

  7. Thaís Ferraz disse:

    Amei o post! Acabei de fazer um post no meninadeluzz.wordpress.com sobre AMOR PRÓPRIO e acabo de ler o seu post que fala sobre isso. ❤❤❤

    Curtido por 1 pessoa

  8. Denise disse:

    Concordo plenamente!

    Curtido por 1 pessoa

  9. Daniel Alkmin disse:

    Ola Pitaquinha,
    Super legal começar o ano com essa reflexão, inclusive estava conversando com meu irmão sobre esse tema ontem quando saímos para uma caminhada (falávamos sobre naturalidade, que eu entendo que está muito ligado a amor próprio e auto conhecimento).
    Em nosso papo, ponderávamos que ao mesmo tempo que ser quem se é, se aceitar e se amar é a liberdade máxima, também falávamos sobre como somos cercados de expectativas de todos os lados, que muitas vezes, podem bloquear essa naturalidade.
    Passamos grande parte de nossa vida buscando cumprir com os papéis que nos são dados mesmo antes de termos noção de quem somos, e é esperado que sejamos completamente felizes com tais papéis.
    Quando temos a coragem de romper com esse movimento, somos vistos como transgressores, rebeldes, os que não se encaixam.
    Penso que parte do processo de amor próprio está ligado com a aceitação do papel de rebelde, pois certamente, expectativas serão frustradas.
    Enfim, só queria contribuir com a reflexão.
    Um beijo, excelente ano!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s